Como escolher seu coletor menstrual


Existem muitas diferenças de uma marca para outra. A maleabilidade, por exemplo, quando o coletor é muito mole pode dificultar o uso, coletores com maleabilidade intermediária abrem mais fácil e  podem oferecer melhor adaptação.


Há tamanhos diferentes de coletor? Para escolhê-lo, quais fatores é preciso levar em consideração (altura do colo do útero, se a mulher já foi mãe, etc.)?


Geralmente os coletores vem em duas medidas: P, para mulheres com menos de 30 anos e que não tiveram filhos, e M, para as que já tiveram, independente da idade ou do tipo de parto.


Também deve se levar em conta a altura do colo do útero para saber qual o comprimento mais adequado para o seu corpo, quanto mais baixo o seu colo for mais curto o copinho deverá ser.


Para medir o colo do útero o primeiro passo é durante o banho ou em pé, após lavar bem as mãos e a região íntima, insira o dedo médio no canal vaginal. Você deve procurar uma estrutura arredondada, firme como a ponta do nariz que fica voltada para o lado da barriga.  Em mulheres com útero retrovertido ele estará do lado do bumbum.


Altura do colo: – Baixo: você não vai precisar inserir muito o dedo na vagina, logo vai encontrar o colo. Na posição baixa, você vai conseguir sentir também um pouco dos lados do colo.

– Médio: posição intermediária entre colo baixo e alto.

– Alto: nesta posição, o colo é mais difícil de tocar, pois está no topo da vagina. Muitas vezes só se consegue tocar a pontinha. outras vezes o colo está tão alto que nem se consegue tocá-lo.

É importante fazer o teste de posição do colo do útero também durante o período menstrual , pois ele pode descer ou subir um pouco dependendo da mulher. Assim você terá certeza do melhor comprimento de coletor escolher. Lembre-se que nessa situação a textura do colo pode mudar para algo mais macio ou esponjoso, muitas vezes mais fácil reconhecer por ele estar um pouco mais inchado.

Pelas pesquisas colo baixo é até 4.5 cm. Médio de 4,6 até 5.4 cm e alto acima de 5.5 cm


No caso do Free Cup ele desenvolvido baseado na média do canal vaginal que é de 8cm, por isso ele tem 6,2 cm para não ficar na região mais vascularizada, cheia de terminações nervosas nem muito próximo do colo do útero, os dois tamanhos tem a mesma altura, o que não influenciaria a escolha.

E a intensidade do fluxo menstrual, deve ser considerada para escolher o tamanho?

A intensidade do fluxo menstrual influênciará principalmente em uma maior frequência de trocas.


Há diferenças nos materiais de fabricação? Como escolher?

Os coletores são produzidos em silicone ou TPE e é possível ter ou não corante

O TPE é mais grosso e poroso já o silicone e mais fino, ambos são de uso medicinal .

TPE é uma sigla para elastomero termoplastico é advindo de petróleo, nem tudo que vem do petróleo faz mal. A grande questão de evitar usar derivados de petróleo é principalmente ambiental, mas é reciclável.

O TPE fica ovalado/achatado em todos os tamanhos e níveis de rigidez. É a característica do material, que é diferente do silicone. Os de silicone abrem redondinhos, os de TPE, ovalados.

Uma vantagem do TPE frente ao silicone é a durabilidade dele como coletor. O coletor de tpe tende a manter suas características intactas por mais tempo. Mais isso pode variar muito com o tipo de corante, então de uma cor pra outra definivamente vai mudar.

Quanto ao silicone em teoria usamos o coletor até ele apresentar sinais de degradação. Então no reprocessamento eles seriam utilizados para fins menos nobres tipo coletor viraria óleo. Os efeitos do silcone  são mais estudados e, principalmente, é garantido que não tem adesão de bactérias.


Outra consideração é sobre a segurança dos coletores coloridos não são todos os coletores coloridos que são seguros. Isso ocorre porque existem hoje coletores menstruais fabricados com os mais diferentes tipos de pigmentos. Alguns coletores contém corantes que podem ser extremamente nocivos à saúde vaginal, mas existem também coletores fabricados com pigmentos certificados, hipoalergênicos e considerados seguros, aprovados pelo FDA e em conformidade com o regulamento REACh.

Por Ana Paula Silva